“Onde está o sentido?” – O planejamento da coconstrução de conhecimento a partir do Teatro do Absurdo nas aulas de inglês de ensino médio

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Juliana Jandre Barreto
Andrei Ferreira de Carvalhaes Pinheiro
Juliana Silva Ricardo Correa

Resumo

Neste artigo, apresentamos como planejamos duas aulas, em sequência, para o curso de Creative Writing (‘Escrita criativa’), do primeiro e segundo anos do ensino médio no CAp/UFRJ. Considerando que as duas turmas vinham estudando, no módulo do curso Playing with conversation (‘Brincando com a conversa’), tanto peças de teatro, quanto as máximas conversacionais de Grice (1975), a nossa proposta, para essas aulas, era que partíssemos do Teatro do Absurdo para (a) explorarmos como podemos criar sentido a partir de um suposto caos e (b) expandirmos a discussão acerca de como a quebra ou a manutenção das máximas conversacionais pode contribuir para a criação de significado. Valemo-nos, portanto, de trechos de Esperando Godot, de Samuel Beckett (1954). Antecipamos, no entanto, que apresentamos neste artigo apenas a nossa projeção de aulas, e não seus resultados.


Planejamento de aulas, Ensino de língua inglesa, Coconstrução de conhecimento, Teatro do Absurdo, Máximas conversacionais

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Artigos