Imbricações entre mediação, práticas pedagógicas e evasão: um estudo em representações

Conteúdo do artigo principal

Magali Aparecida Mendes de Queiroz
Vânia Maria de Oliveira Vieira

Resumo

A evasão escolar tem sido considerada um grande problema na educação brasileira, presente em todas as modalidades e acentuada no ensino médio. De acordo com os índices do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontados em 2010, o Brasil tem a maior taxa de abandono de alunos entre os países do Mercosul. Considerando esses dados, o presente estudo, de abordagem qualiquantitativa, realizado por meio de pesquisa bibliográfica e de campo, identificou e analisou as representações sociais de 60 professores de uma escola pública do município de Uberaba/MG, sobre a mediação pedagógica, entendida como a forma pela qual o professor pensa e articula o conteúdo, realiza o planejamento, a avaliação, utiliza as estratégias de ensino e interage com os alunos. Os dados foram coletados a partir de um questionário com perguntas fechadas e abertas e a Técnica de Associação Livre de Palavras, tratadas pelo software EVOC. Tomou-se como referencial teórico-metodológico a Teoria das Representações Sociais de Moscovici (1978); a subteoria do Núcleo Central (ABRIC, 1994) e os pressupostos da Análise de Conteúdo de Bardin (2011). Os resultados mostram que a maioria dos professores tem construído representações ancoradas em elementos que denotam sentimentos de: “comprometimento”, “aprendizado”, “desafio” e “construção”. Concluiu-se que a causa da evasão escolar pode ser a falta de interesse do aluno pela escola e as dificuldades de aprendizagem, o que evidencia, portanto, imbricações das práticas pedagógicas realizadas por eles com a permanência do aluno na escola.


 

Detalhes do artigo

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Vânia Maria de Oliveira Vieira, UNIUBE - Universidade de Uberaba

Possui graduação em Psicologia, Formação de Psicólogos e Licenciatura pela Universidade de Uberaba (1983), graduação em Pedagogia Licenciatura Plena pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ituverava (1987), mestrado em Educação, Formação de Educadores pela Universidade de Uberaba (2003) e doutorado em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2006). Foi coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Uberaba de 2008 a 2017. Atualmente é docente no curso Psicologia e no PPGE/UNIUBE. Atuou como Psicóloga Escolar na Rede de Ensino da Prefeitura Municipal de Uberaba de 1984 a 2014. É pesquisadora associada do Centro Internacional de Estudos em Representações Sociais e Subjetividade/Educação - CIERS-Ed. É coordenadora da RIDEP ? Rede de Pesquisa Internacional sobre Desenvolvimento Profissional de Professores. Membro do PIBIC/UNIUBE - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da Universidade de Uberaba. Foi coordenadora do Subprojeto do PIBID Formação de professores: trabalhando a diversidade na escola de 2014 a 2016. Membro do corpo editorial do Periódico: Revista Profissão Docente (Online). É líder do GEPRESPE - Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Representações Sociais e Práticas Educativas, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação e da Linha de Pesquisa Desenvolvimento Profissional, Trabalho Docente e Processo Ensino-Aprendizagem. Líder do Grupo de Pesquisa ? GDEPRES - Desenvolvimento Profissional Docente e Representações, certificado pelo CNPq em 2016. Desenvolve pesquisas no campo da educação sobre Desenvolvimento Profissional Docente na Educação Básica e Ensino Superior, abarcando as temáticas: processo ensino-aprendizagem, práticas pedagógicas (planejamento, estratégias, avaliação, relação professor-aluno), ensino de tempo integral, adolescência e orientação sexual. (Texto informado pelo autor)