Reflexões sobre a educação no campo e a Revolução Verde

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ana Lúcia Pereira Reginaldo Motta de Souza Fábio Antonio Gabriel

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar algumas reflexões sobre a temática educação no campo após o advento da Revolução Verde, que resultou em graves traumas, cujas consequências afetaram a vida campesina na medida em que dizimaram a agricultura familiar praticada pelos pequenos agricultores. A pequena agricultura perde seu espaço diante do modelo de agronegócio, vigente na sociedade atual que descaracteriza as condições de igual competitividade entre grandes e pequenos agricultores. Por meio de pesquisa bibliográfica, busca-se problematizar a situação do pequeno proprietário que, por lhe ser usurpada a condição de manter sua pequena propriedade, não encontra alternativa, a não ser aquela de se tornar empregado do grande latifundiário. Como resultado do estudo, destaca-se uma possível mudança para tal quadro, que pode ser empreendida por intermédio da educação. Assim, propõe-se uma educação entendida como mediadora filosófica e política da população campesina, com a possibilidade de (re)estruturação e preservação da agricultura familiar como lócus de vida, cultura de e viabilidade econômica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
PEREIRA, Ana Lúcia; DE SOUZA, Reginaldo Motta; GABRIEL, Fábio Antonio. Reflexões sobre a educação no campo e a Revolução Verde. Educação Online, [S.l.], n. 26, p. 63-79, dec. 2017. ISSN 1809-3760. Disponível em: <http://educacaoonline.edu.puc-rio.br/index.php/eduonline/article/view/345>. Acesso em: 12 dec. 2018.
Seção
Artigos